Vantagens da dupla cidadania para jogadores de futebol

Atualizado: 12 de jul. de 2021


Jogar futebol é uma profissão com todas as suas regulamentações, se for na Europa, melhor com uma dupla cidadania. De preferência, a europeia. As suas chances aumentam, abrem-se portas e multiplicam as opções, é um grande diferencial para quem possui. Então, pense, além das habilidades futebolísticas, melhor ainda, ter uma dupla cidadania europeia. Por quê, para sua informação, há um limite de estrangeiros inscritos pelas equipes e é preciso respeitar, já que os clubes de qualquer parte, focam em quem é daquele país. Então contratam menos estrangeiros e no continente europeu, particularmente, as regras que regem são pela Lei Bosmam uma norma histórica. Se você possui a dupla cidadania europeia e passaporte da União Europeia terá mais facilidades além de, não depender de cotas e ainda poderá transitar livremente por esses mais de 26 países, ao contrário de quem é somente brasileiro. Afinal. uma boa integração com a nação que representa e a sensação de estar em casa, traz um conforto psicológico e emocional.

As regras são:

Se

Veja os exemplos de acordo com cada situação:

O jovem atacante Gabriel Martinelli ex - jogador do ituano e atual Arsenal da Inglaterra, tem cidadania Italiana por descendência, o que ajudou muito para sua ida para o exterior.

Assim como, inversamente o meia D’ Alessandro agora é um cidadão brasileiro, ´por residir há muito tempo aqui no Brasil. Então isso pode beneficiar, tanto os que vem para o Brasil, como para quem vai para o exterior a dupla cidadania é um diferencial que conta muito para os atletas de futebol e outros também que são atletas. Abre -se um leque de novas possibilidades. E todos os jogadores que têm dupla cidadania e que podem atuar no Brasil também.

Não só para jogadores de futebol, mas, também para Atletas, preparadores físicos, fisioterapeutas, técnicos, árbitros, etc.



14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo